,
CAMPO & LAVOURA

Assentamento Missões: um caso de sucesso na atividade leiteira

Christophe de Lannoy

O Sudoeste do Paraná, assim como o Oeste de Santa Catarina viveram uma verdadeira "Revolução do Leite" nas últimas duas décadas. São hoje, as duas maiores regiões produtoras de leite em seus Estados e há 20 anos atrás o leite mal aparecia como atividade econômica na maioria das propriedades. A "revolução" foi uma alternativa encontrada por organizações de produtores, organizações não governamentais e empresas públicas dessas regiões para incluir as famílias que foram expulsas do modelo de tecnificação intensiva da suinocultura. 

Baseado em sistemas de produção de leite a base de pastagem perene e em pequenas organizações da agricultura familiar o modelo fez sucesso. Entre os modelos da cadeia leite no Sudoeste do Paraná, um tem ganho destaque no município de Francisco Beltrão: a Comunidade do Assentamento Missões, que é um polo de produção leiteira. Essa comunidade de assentados da reforma agrária deve estar produzindo quase 20% do leite do município em, aproximadamente, cem propriedades das quase 1500 que produzem leite no município. Ali o leite é de longe a principal atividade econômica nessas pequenas propriedades de dez ou doze hectares. As famílias se diferenciaram: algumas famílias investem muito, outras investem pouco e outras produzem muito, mesmo investindo pouco. Uma pequena parte das famílias originalmente assentadas, entre 10 e 15%, venderam e foram embora, e a maioria se arrependeu. As que compraram estavam mais dispostas a investir e produzir sobretudo na atividade leiteira.

E tudo ali, vinte e cinco anos atrás, era apenas uma fazenda desmatada, com algum gado e muita dívida no banco. O assentamento Missões é um caso de sucesso de assentamento da Reforma Agrária. E para explicar esse sucesso na produção leiteira, há um que as famílias apontam claramente: o apoio técnico recebido. Seja em diferentes projetos financiados pelo INCRA, que tinha verba para assistência técnica, ou também por meio da assistência técnica privada e das empresas de laticínios, que por lá são mais de meia dúzia que competem pelo leite dessas famílias.

Esse exemplo no Paraná confirma o que é observado também em Santa Catarina: independentemente do tamanho da propriedade, a assistência técnica é fundamental para a evolução da atividade leite, em especial o modelo de produção a base de pastagens perenes. Esse modelo é relativamente novo e a maioria das tecnologias estão sendo geradas pela pesquisa estadual e sendo diretamente aplicadas nas propriedades.

Outra questão fundamental é a organização das famílias. Em um assentamento a organização já faz parte da sua formação, mas o exemplo do assentamento Missões pode e deve ser repetido em comunidades rurais onde ocorram vários produtores de leite, que via organização recebam acompanhamento técnico conjunto. Sejamos inteligentes!

Christophe de Lannoy

Eng. Agr. Sociólogo Rural -Cooperiguaçu







CN Online -Lateral.jpg





site cópia não autorizada.png


JORNAL CORREIO DO NORTE - Rua Três de Maio, 364, Centro, Canoinhas-SC - (47) 3622-1571 - Whats: 47 9 8865-7880

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Correio do Norte