,
CAMPO & LAVOURA

Leguminosas forrageiras para consorciação de pastagens: garantia de sucesso!

Dra. Ana Lúcia Hanisch

O desenvolvimento de materiais forrageiros de melhor valor nutricional e maior potencial produtivo faz parte dos objetivos da Epagri. Para isso, na última década temos avaliado forrageiras provenientes da Nova Zelândia e Uruguai, juntamente com materiais desenvolvidos em Santa Catarina, com vistas a incorporar os mais promissores aos sistemas produtivos do Estado.  

Para garantir o sucesso da adoção das forrageiras, a Epagri desenvolve experimentos conjuntos em vários locais do Estado ao mesmo tempo, e por vários anos. Foi isso que aconteceu com a avaliação de novos cultivares de leguminosas perenes.

Durante três anos, a Epagri desenvolveu experimentos conjuntos em quatro regiões do Estado: Oeste (Chapecó); Meio Oeste (Campos Novos), Planalto Norte (Papanduva) e Planalto Sul (São Joaquim), comparando as mesmas forrageiras em diferentes climas, desde o calor de Chapecó, até o frio com mais de 30 geadas por ano em S. Joaquim. Dentre os materiais avaliados encontravam-se cultivares de trevo-branco e de cornichão, que são as principais leguminosas perenes de clima temperado.

O trevo-branco (Trifolium repens) é a leguminosa mais utilizada no melhoramento de pastagens no Sul do Brasil e destaca-se pela alta produção de forragem, valor nutritivo e capacidade de suporte. Já o cornichão, que pertence ao gênero Lotus, embora menos conhecido, apresenta a vantagem de não provocar timpanismo nos animais e ser mais tolerantes com algumas limitações do solo.

Nos ensaios da Epagri pelo Estado foram avaliados cinco cultivares de trevo-branco: Zapican, Kopu II, Tribute, Trophy e Jacuí S2; e três cultivares de cornichão: Larranaga, Trojan e SCS 313 - Serrano.

Na nossa região do Planalto Norte, os resultados para todos os cultivares foram excelentes, inclusive as maiores produtividades do Estado. Os cultivares de trevo-branco produziram entre 6 e 8 t/ha/ano de massa seca, em seis pastejos. Dos cultivares de cornichão, o cv Larranaga alcançou produtividade acima de 14 t/ha/ano no segundo ano, o que foi fantástico.

Mais uma vez os resultados de pesquisa comprovam que nossa região é especial para a adoção de sistemas de produção de leite e carne a base de pasto, pois temos um clima e um solo que promovem o crescimento das melhores forrageiras, tanto gramíneas, quanto leguminosas. Sem dúvida, a inclusão de novos cultivares de leguminosas perenes contribui para o aumento da produção de forragem nos sistemas a base de pasto e deve ser motivada.

Dra. Ana Lúcia Hanisch

Pesquisadora Epagri/EECAN







CN Online -Lateral.jpg





site cópia não autorizada.png


JORNAL CORREIO DO NORTE - Rua Três de Maio, 364, Centro, Canoinhas-SC - (47) 3622-1571 - Whats: 47 9 8865-7880

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Correio do Norte