,
100 anos de história

Memórias de uma criança que estudou no Sagrado

Que escola é essa? Escola de Ensino Fundamental Sagrado Coração de Jesus

Lenita Fuck
Foto: Acervo da Escola
Biblioteca da escola antigamente

Uma escola que nos faz vibrar sempre quando nos lembramos dela com certo ar nostálgico - para revelar essa admiração é preciso olhar para dentro - no íntimo - no coração e desprender-se de tudo o que é imposto pelos outros e deixar fluir a imaginação, os sentimentos guardados, as lições aprendidas e colocar tudo isso em forma de palavras, mesmo que seja com estilo próprio, com palavras simples, mas com verdade e desprendimento pessoal. E qual seria o momento mágico que esta escola nobre ficou gravada? Vou arriscar uma afirmação: é naquele ou naqueles momentos em que ela ficou na lembrança - quando a lembrança era boa, claro - do adulto quando criança. É nesse momento que a magia de escola mais linda se construiu. Quando ainda não se tinha descoberto nada da vida, momento em que foi dado 'vida' aos bonecos trazidos pela professora, nos treinos de desenhos dispersos nas folhas e onde quase tudo ainda era lenda, mas isso eu não sabia - eu jurava que tudo era verdade. Elementos que rementem a essas memórias de Escola são capazes de evocar sensações de aconchego, carinho e fantasia que cada um guardou lá no fundo do imaginário. Numa estrutura gigantesca o Sagrado a primeira vista tornou-se um gigante, seus corredores eram tão longos que poderiam até ter uma placa de 'fim de mundo' em cada um- que se acreditava que era para lá que se ia e se chegava ao fim. A cada sala passada, vozes diversas, cantos, tabuadas, operações e leituras - um zum - zum de gente querendo aprender. As ilustrações de nossos livros nos remetiam a um mundo fantástico - de magia e pela vida pensávamos em ir morar nesses lugares - lugares prósperos- da árvore que era verde como um pinheiro, a colina coberta de neve e flores coloridas enfeitando os caminhos. Eram tempos em que as histórias eram contadas pelas professoras e nossos pais sobre o bom velhinho que esperava nossa cartinha com os pedidos de presentes (eu arrebentava!), anotava tudo, e essa carta era passava para a fábrica de brinquedos e, na noite Natal, ele só entrava nas casas com seu saco de presentes quando todas as crianças estivessem dormindo. E nas casas em que não havia chaminé, ele entrava pela porta mesmo porque tinha poderes especiais e morava num lugar bem frio, com muita neve, andava de carroças puxadas por renas, onde as casinhas eram simples e de madeira e o cenário era repleto de construções históricas, enfim o Natal, a Páscoa - eram festas comemoradas nas casas - um dia especial e íntimo que acontecia nas casas de todas as famílias dos alunos Canoinhenses. Nossa, lembrar-se desses fatos todos fazem minha imaginação voar... A escola tinha os melhores dias do ano, as férias de julho era um prazer sem fim - tinha paixão pelo campo de grama (o antigo chiqueirão) - colocava a nós todos em contato com a natureza - era oferecido a nós crianças uma laranjinha e um chineque no dia das crianças. O Sagrado era a nossa casa da árvore, o esconderijo mais secreto, a lanchonete mais incrementada, um mundo todo, mas não se saía da sala de aula - tudo vinha de livros, das falas das professoras e professores - do final do corredor e do pipoqueiro - tudo era mesmo imaginável- era mesmo no Sagrado. E tudo resultava em brincadeiras, sonhos, esperança; as ações eram contínuas ...estávamos sempre... correndo, sorrindo, fazendo farra; as meninas tinham cabelos compridos - sorriso gostoso cheio de carinho...e seu mundo também transformava-se, era então a dona da mansão e a escola agora era a sua casinha de bonecas - o seu castelo encantado- o mundo que alegrava seu coração pelas histórias da literatura infantil! E assim numa casinha de árvores e de bonecas - num esconderijo - nas brincadeiras o Sagrado se fazia valioso, a aprendizagem aparecia em todos os cantos e sentidos e desse mundo o futuro pode ser construído - construído com bagagens significativas - de embasamentos de fé - de preparação para a vida... O passado é um livro de memórias, onde as coisas boas e ruins da sua história estão guardadas - as boas se transformam em felicidade e as ruins em lições de vida - é como se você pudesse ler uma página dele sempre que precisasse! O futuro serve para seguirmos tentando, não cometendo os mesmos erros, ou cometendo-os se assim os quisermos cometer ! O passado é como um manual, para você saber o que é certo e o que é errado no que você já viveu .. e se o passado não pode voltar - a única saída a todos é tentar se aproximar das pessoas que você se afastou , tentar ser feliz como foi , tentar dar as mesmas gargalhadas que já deu , tentar voltar a ser criança novamente - não na idade cronológica, mas na inocência, na simplicidades e na transparência de sentimentos - a saber dividir seu tempo em brincadeiras e responsabilidades, mas a coisa mais certa mesmo a se fazer é VIVER como no Sagrado se aprendeu a fazer , para que cada dia de sua vida seja significante , e para que seu livro de memórias seja cada vez maior.






CN Online -Lateral.jpg





site cópia não autorizada.png


JORNAL CORREIO DO NORTE - Rua Três de Maio, 364, Centro, Canoinhas-SC - (47) 3622-1571 - Whats: 47 9 8865-7880

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Correio do Norte