,
Sociedade

A doença que é o mau do século: Depressão

24 Abril 2019 16:43:00

O CN trouxe essa temática tão atual importante para a sociedade, devido aos altos índices de tentativa suicídio na cidade

Elisandra Carraro
Foto: Elisandra Carraro/Revista Persona
O suicídio acontece quando a depressão está em nível mais alto da doença

Depressão é uma palavra usada para definir um estado de espírito relacionado a tristeza. Sempre que uma pessoa está desanimado, abatido, tendência é que as pessoas achem que isso esteja ligado a depressão, no entanto nem sempre esse "estado de espírito" é tratado de fato como doença. E aí que o problema começa.

Não há como negar, existe tanta complexidade no estado de depressão, que só podemos afirmar uma coisa: a depressão é uma doença da alma. Da alma, isso mesmo, algo que vai além da nossa explicação física, ou do que a ciência descreve, ou ainda do efeito que os remédios podem fazer.

Não é uma questão de falta de algo, ou de alguém, não é vazio de coração ou mente, porque se fosse apenas isso, as coisas que o mundo oferece preencheriam essa lacuna gigante, que do nada se forma e, quando se percebe, já é rotulado depressão.

Há quem diga que depressão é só uma crise existencial constante, daquelas bem fortes, que ao invés de nos ajudar a levantar e caminhar sem cometer os mesmos erros, nos faz ficar deitado, arrependido do que nem sequer cometeu. De fato, crise existencial, pode ser facilmente confundida com depressão, mas acredite, não, não é. Quando for depressão, você vai saber, vai sentir como se estivesse dentro de um labirinto, mas que desse labirinto, a sensação é que não dá pra fugir, a sensação é de que nunca se acha uma saída e muitas vezes essa saída, parece ser apenas a morte, não da vida em si, mas do sofrimento.

Dados e estatísticas

Como já dissemos a depressão é uma doença complicada e que pode afetar não somente a saúde física, mas também da alma. A pessoa depressiva não quer acabar com a vida e, sim, com sofrimento. É por conta disso, que há inúmeros casos que a depressão se agravou e levou a pessoa a cometer suicídio. De acordo com a Soldado

Do 3º Batalhão de Polícia Militar, Débora da Silveira, 17 suicídios foram registrados no ano de 2018, esse número se refere somente as cidades dos 6 municípios atendidos pelo 3BPM. Destes números 7 foram em Canoinhas; 7 em Porto União; 2 em Irineópolis e 1 em Três Barras.

Em relação à tentativa de suicídio foram registrados 12 casos em 2018 sendo: 5 em Porto União; 4 em Canoinhas; 2 em Bela Vista do Toldo e 1 em Major Vieira. Os números são alarmantes e demonstram que é preciso falar desse problema grave problema social.

Neste primeiro trimestre do ano de 2019 já foram registrados alguns casos de suicídio na região, muitos deles já noticiamos aqui no jornal. Recentemente o caso de uma senhora de 80 anos que tentou se jogar da ponte que faz divisa entre Canoinhas e Três Barras, comoveu a população, por se tratar de uma pessoa que já está em idade avançada. Mas como ajudar a pessoa depressiva?

Especialista no assunto

Aiessa Talita Tavares, é psicóloga pela secretaria de Saúde de Canoinhas e, atualmente Coordenadora de Saúde Mental no município, ela comenta que é preciso prestar atenção em alguns sintomas ligados à depressão para que a doença possa ser identificada. "A depressão é um conjunto de sintomas e, para descobrir o diagnóstico da doença, esses sintomas devem ser apresentados por pelo ou menos duas semanas seguidas e forma bem acentuada. Alguns deles são mais comuns de serem identificados por estarem comumente ligados a depressão como por exemplo, tristeza profunda, desânimo, baixa autoestima, falta de apetite, desesperança, falta divisão de futuro, sentimento de inutilidade, pensamentos de morte, dificuldades de atenção e desinteresse por coisas comuns que sempre realizava ", destaca a psicóloga.

Segundo Aiessa se a pessoa apresenta algum destes sintomas por mais de duas semanas seguidas, a família deve ficar atenta e buscar auxílio médico para que o paciente seja atendido e o quadro não tenha uma evolução. A depressão se for tratada desde o início pode evitar uma série de outros transtornos psicoativos que decorrem dela, como por exemplo, síndrome do pânico, crises de ansiedade dentre outros.

"A depressão pode ser classificada como leve, moderada e grave. Há também vários tipos de depressão como, por exemplo, depressão pós-parto, depressão infantil, e depressão que ocorre devido a alguma perca pessoal, seja pelo falecimento de um ente querido, ou pela não realização de um projeto pessoal. Algumas pessoas não sabem como lidar com os desafios da vida e cada um tem uma forma diferente de encarar as coisas. A depressão é algo mais comum do que seja imagina e pode atingir a todos", ressalta.

Depressão tem cura?

Sim, como toda doença tem tratamento, a depressão também tem. É necessário que ao identificar a doença a pessoa possa buscar atendimento médico e acompanhamento também. Aiessa explica que muitas vezes o paciente interrompe po tratamento por achar que já está curado, mas é necessário que o tratamento seja feito por completo para que haja a cura da doença. "Quando a pessoa começa a desenvolver a depressão ela guarda muito para si todos os conflitos internos que está passando. Mas, quando a depressão atinge um nível máximo, a pessoa começa a colocar isso para fora, que são quando os sintomas se acentuam e muitas vezes, é nesse momento que e os pensamentos suicidas podem aparecer, por isso, a família, amigos e pessoas próximas, devem sempre ouvir, acolher, entender e ajudar o depressivo" destaca.

Como lidar com a pessoa que sofre depressão?

Quem sofre de depressão tem muita dificuldade em permitir que os outros possam ajudá-lo. E este pode ser um fato preponderante para que a doença se agrave. A família e amigos deve ser estar atenta ao comportamento da pessoa que sofre de depressão, ter esta sensibilidade de perceber os sintomas é muito importante.

"Às vezes a pessoa se abre com a família, mas as pessoas não dão muita atenção a isso. É comum ouvirmos de familiares que é apenas uma fase e vai passar, ou que a pessoa precisa buscar mais a Deus, mas na verdade a depressão é algo sério, que precisa de terapia, medicação e acompanhamento. O que essas pessoas querem é ser ouvidas e acolhidas", destaca Aiessa.

Nem sempre os medicamentos podem fazer a diferença na luta contra a depressão. Dizer sim interiormente a uma atitude positiva pode ajudar a encontrar uma saída. Muitas vezes, nos encontramos em um labirinto sem saída, não vemos uma direção correta a seguir, todas parecem nos levar ao mesmo lugar. Mas é importante sabermos que nunca estamos sozinhos e que sempre há uma solução para tudo, menos para a morte.

O importante é que quando perceber que está perdido neste labirinto de emoções e sentimentos, você possa construir "asas" para lançar "voo" e, sair dele. A morte não é uma saída, seja qual for sua dificuldade não desista de lutar para viver. Para vencer depressão, diga sim a si mesmo, levante-se, construa asas e voe para uma vida nova!

Para mais informações e atendimentos entre em contato pelos telefones: (47) 3624-1095 - Programa Psicossocial ou (47) 3622-1310 - Caps.

OBS: vale ressaltar que em qualquer Unidade de Saúde de Canoinhas a pessoa pode se solicitar atendimento para quadro de saúde mental.


Imagens

Foto: Elisandra Carraro/Revista Persona
O suicídio acontece quando a depressão está em nível mais alto da doença
Foto: Elisandra Carraro
Aiessa Talita Tavares é psicóloga e fala sobre depressão e os estágios da doença
Foto: Elisandra Carraro/Revista Persona
É necessário que a pessoa com depressão tenha apoio e compreensão da família



correiodonorte





site cópia não autorizada.png

JORNAL CORREIO DO NORTE - Rua Três de Maio, 364, Centro, Canoinhas-SC - (47) 3622-1571 - Whats: 47 9 8865-7880

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Correio do Norte